Uma análise da palabra פְּקֻדּוֹת em Ezequiel 9, e sua relação com jó 33:22, baseado no oficio Divino

Aprendiendo Jugando

Resumo

Hoje há um interesse especial no ministério dos anjos, e muitas são as histórias de encontros com eles. As questões surgem constantemente, são eles divididos em diferentes ministérios? Existe alguma hierarquia entre eles? Partindo de histórias bíblicas nas quais você pode observar claramente a participação direta deles na morte de alguns seres humanos, eu me perguntei: há talvez anjos com a comissão para matar? Ezequiel capítulo 9 vers. 1, menciona os "executores" do Senhor, Vale ressaltar que a palavra utilizada no original para os executores é פְּקֻדּוֹת

Palavras-chave: morte, anjos, comércio, carrascos.

AN ANALYSIS OF THE WORD פְּקֻדּוֹת IN EZEKIEL 9, AND ITS RELATIONSHIP WITH JÓ 33:22, BASED ON THE DIVINE OFFICE.

Abstract

Today there is a special interest in the ministry of the angels, and many are the stories of encounters with them. The issues arise constantly, are they divided into different ministries? Is there any hierarchy between them? From biblical stories in which you can clearly see their direct involvement in the deaths of some human beings, I wondered: are there perhaps angels with the commission to kill? Ezekiel chapter 9, mentions the "executors" of the Lord, it is worth mentioning that the word used in the original for the executors is פְּקֻדּוֹת, and stands for office, office, or responsibility. And that same word is used for the accusation that the Levites had in the sanctuary.

Keywords: death, angels, commerce, executioners

1 INTRODUÇÃO

Há muitos casos de pessoas que viram ou acreditam que viram seus entes queridos que morreram. No mundo cristão, a realidade não é diferente. Embora a Bíblia tenha sua posição em relação à morte, ainda não está claro para muitos cristãos como isso acontece e o que acontece em seguida.

O interessante é que muitos ligam os anjos à morte. Em alguns cemitérios existem figuras angelicais, como estátuas; e anjos são evocados como guardiões, mesmo como protetores e guias para o "além". No México, por exemplo, "Santa Muerte" é adorada, ou "a menina branca", como alguns a chamam. E dentro da cultura mexicana, faz parte do pensamento coletivo, especialmente dos bairros marginais. Com relação ao judaísmo, existe a crença de que o anjo da morte (מַלְאַךְ הַמָּוֶת) é um mensageiro de Deus, que tem a tarefa de acabar com a vida; e é descrito como "o destruidor" (Êxodo 12:23). Citando a Eisenberg

[…] O estudo da Torá ou algum ato excepcional de piedade ou bondade pode ser usado para impedir o Anjo da Morte; não há necessidade de recorrer às armas mágicas e potentes poções geralmente usadas contra a morte em outras culturas. Muitos heróis, especialmente na Bíblia, são descritos como tendo derrotado o Anjo da Morte com sua fervorosa oração, estudo constante e atos de caridade notáveis. Os três patriarcas, Moisés, Aarão e Miriã teriam morrido por um beijo de Deus, e não pela espada do Anjo da Morte. (EISENBERG, 2004, p.77-78).[1]

Os principais objetivos deste artigo são: investigar a relação que existe entre o ministério dos anjos e a morte do ser humano. Estudar a palavra ְּקֻדּוֹת, como um oficio, e sua relação com os anjos. E finalmente, fazer uma comparação entre o pensamento judaico e a cosmovisão existente entre algumas culturas.

2 A PALAVRA קֻדּוֹת E SUA RELAÇÃO COM OS ANJOS.

A palavra קֻדּוֹת, usada em Ezequiel 9:1 refere-se a uma posição ou responsabilidade. E aparece em 32 vezes, em 8 formas e em 31 versos, segundo a raiz da palavra. Isto é um trabalho que é feito regularmente, não é uma tarefa que está sendo cumprida apenas naquele momento, como é o caso dos levitas no santuário terrestre; já que em Num. 3:32 (BHS), falando de Eleazar, o texto bíblico se refere a ele como sendo parte daqueles que têm a guarda do santuário. A palavra reaparece em Num. 4:16 (BHS), referindo-se à acusação de cuidar do santuário novamente. De acordo com Don McCury (2004, p 78), em Ezequiel 9.1 “A palavra traduzida "guardas" na NIV e "executores" na NASB poderia ser traduzida mais literalmente como "visitantes oficiais". Quando Deus visita seu povo, ele pode fazer isso para abençoar ou punir. No caso de Jerusalém, os visitantes oficiais estão aqui para executar seu julgamento.”

Outro caso é do sacerdote Jeoiada, que pôs em ordem as cabeças de centenas e separou os ofícios dos sacerdotes, dos levitas e dos guardas das portas. Então ordenou sacerdotes e levitas, como Davi os distribuiu na casa do Senhor, para oferecerem holocaustos a Jeová, como está escrito na Lei de Moisés, com alegria e cânticos, segundo a disposição de Davi que está em 2 Crônicas 23:18 R60, neste verso a palavra קֻדּוֹת é usada para se referir ao ofício que tanto os sacerdotes quanto os levitas tinham no templo, e no campo do serviço do santuário essa palavra é usada para descrever um santo ofício. Não é de surpreender, que em Ezequiel 9:2, um vestido de linho, que era o manto sacerdotal (Lv. 16: 4), seja usado para se referir aos seres celestiais (Daniel 10:5; 12:6,7). Haciendo referencia a este ser celestial diferente de los otros, comenta Jamieson (2003, p 756), “Su ropa señaló su puesto oficial como distinto del de los seis oficiales de venganza; “lino” caracterizó la vestimenta del sumo sacerdote (Levítico 16:4), emblema de pureza.”

Neste ponto, podemos encontrar uma relação entre o ministério dos anjos e o ofício dos levitas e sacerdotes no santuário terrestre. A palavra que descreve os seis homens, que em Ezequiel aplicarão o castigo divino, é a mesma palavra que se refere ao ofício dos levitas.

Não somente no livro de Ezequiel existem seres celestiais cumprindo essa tarefa, existem outras histórias bíblicas de anjos que têm sido instrumentos divinos de julgamento. Mas é do meu maior interesse ligar o oficio desses anjos à história de Jó 33.22, onde é mencionado um caso muito específico de "aqueles que causam a morte".

2.1 Os anjos e o ofício de punir.

Podemos encontrar pessoas que veneram os anjos e os adoram, até mesmo aqueles que temem e os confundem com os demônios. Mas não importa qual conceito você tenha sobre isso, não há como negar que eles e seu ministério causam um profundo interesse nas pessoas; mesmo entre jovens e crianças, você pode ver diferentes desenhos animados que têm anjos como protagonistas, seja como heróis ou como vilões. Mas o que a Bíblia diz sobre eles e o ministério que eles desenvolvem na história da humanidade? "Eles não são todos espíritos ministradores, enviados para servir por causa daqueles que herdarão a salvação?" (Hebreus 1.14, R60). Na Bíblia, há muitos casos em que os anjos agiram em nome dos seres humanos, protegendo-os em um determinado momento (1 Reis 19: 6-8, Da 3:28, 6:22, Atos 12: 5-10), mas há também outras circunstâncias em que serviram como instrumentos de julgamento divino (2S 24:16, Atos 12:23, Jó 33.23, Salmo 78.49, 1 Coríntios 10.10).

Se os anjos foram comissionados para tirar a vida dos seres humanos, porque Deus assim arranjou, não será que eles tenham um relacionamento com a morte de todo ser humano? Desde então, a antiguidade tornou-se popular uma crença sobre o "anjo da morte", e tem havido muitos relatos de pessoas que estiveram a ponto de morrer, mesmo inconscientes, em circunstâncias de doenças terminais, e relataram sua experiência, afirmando que viram algo semelhante a uma pessoa vestida de preto. De onde vêm essas lendas? e esses tipos de histórias são encontrados na Bíblia? No livro de Jó, há uma experiência de quase-morte, quando no capítulo 33, Jó sente que vai morrer, sua força enfraqueceu e ele está em estado de total agonia. Mas no verso 22, seu amigo Eliú tenta aconselhá-lo em seu momento de tristeza (Jó 33.2-3 R60), então ele diz: "sua alma se aproxima do poço, e sua vida para aqueles que causam a morte". (Jó 33.22, R60), quem são esses que causam a morte? É claro, no versículo 4, que quem dá a vida e a tira é Deus. E que todos nós viemos do pó, onde Deus nos criou, e Eliú o reconhece; "Eis que eu, como você, pertenço a Deus; do barro eu também fui formado "(Jó 33.6, R60). Nos versos seguintes, e de maneira poética, ele descreverá a situação do homem quando ele se aproxima da morte.

Neste ponto, é necessário parar para ter uma melhor compreensão sobre a tradição judaica e sua visão de mundo sobre a morte.

[…] no judaísmo, somente Deus é o mestre da vida e da morte. No entanto, há a figura alegórica de um Anjo da Morte (Malach ha-Mavet), um mensageiro encarregado de cumprir os decretos divinos. Na Bíblia, o Anjo da Morte é descrito como “o Destruidor” (Êxodo 12:23) - um “anjo do Senhor de pé entre o céu e a terra, com uma espada desembainhada na mão” (1Cr 21:15-16), cuja função é terminar a vida dos seres humanos mortais. O Talmud descreve o Anjo da Morte como “cheio de olhos”, de pé à frente da pessoa que está morrendo e empunhando uma espada da qual pende uma gota de fel. “Quando a pessoa doente contempla, ele treme e abre a boca [com medo]; ele [o Anjo da Morte] então a joga em sua boca. É disto que ele morre ” (EISENBERG, 2004, p.77-78.)

Tanto no Talmude como na ideologia judia, o “anjo da morte”, é um instrumento de Deus, não é o que causa a morte porque é autônomo para fazê-lo, mas porque ele está cumprindo uma comissão divina. Comentando sobre este versículo, o Comentário Bíblico Adventista refere-se aos destruidores, de acordo com Nichols (2002, p 586) “Destruidores. Literalmente, “aqueles que matam”. Provavelmente uma alusão figurativa a seres sobrenaturais, comissionada para executar o julgamento (ver 2Sm 24:16, 17). Aquí, Nichols, sugiere que quienes causan la muerte, pueden ser seres sobrenaturales que tienen ese encargo o comisión. Segundo Alden (2001, p 328-29) “mensageiros da morte, se traduz uma palavra incomum que poderia ser traduzida como“ aqueles que matam ”ou simplesmente“ matadores”.

A cultura judaica estava envolvida nesse tipo de visão de mundo; mas também no caso do Islã, pode-se observar que a morte foi representada por um anjo cujo nome era Azrael. Segundo a tradição islâmica, Azrael foi o único dos arcanjos em cumprir com a atribuição de Deus, para trazer à terra para formar o corpo de Adão, Deus deu-lhe o título de anjo da morte, e estar no comando de separar a alma do corpo e leve-a ao lugar onde sua morada eterna será. É por isso que Azrael é o único que pode viajar do céu para o inferno. Curiosamente, de acordo com o Corão, a missão de Azrael é ajudar a cada pessoa para que não tenha medo de morrer; pelo contrário, Azrael oferece paz e tranquilidade nesse momento transitório difícil. Algo muito parecido com o que acontece na história de Jó; porque pergunta Elihu, haverá um anjo escolhido, alguém que no momento em que os seres humanos estão se aproximando da morte pode estar lá para ajudá-lo e aconselhá-lo? (Jó 33:23-24) é uma figura muito parecida com a de Azrael.

Não é o objetivo deste artigo garantir que estes anjos mencionados no versículo 22 até o 24, são Azrael e anjos que estão no comando, descrito no Corão, mas é bom conhecer como há uma semejanza entre ambos. Citando a Lang

[…] Muitas costumes judaicas associados à morte e sepultamento se desenvolveram a partir da crença de que a alma do falecido precisa ser protegida do Anjo da Morte ou de seus agentes. A imagem do Anjo da Morte continua a desempenhar um papel na Hagadá da Páscoa, tanto na história da décima praga (ver pág. 250) quanto na canção folclórica Had Gadya. Tanto no folclore judeu quanto no muçulmano, Azrael era o anjo da morte. Algumas lendas descrevem-no como horrivelmente feio, a própria personificação do mal. (LANG, 2000, p 443)

Comentando este versículo, John Peter Lange, Philip Schaff e Taylor Lewis (2008, p 559), afirmam isso. “Os matadores ou destruidores, son de acuerdo com o Sal. 78:49; 2 Sam. 24:16; y 1 Cron. 21:15, “poderes angelicais enviados por Deus e comissionados a destruir os homens.” E eles também afirmam que a explicação de Eliú, “tem uma forte coloração angelológica em comum com o livro de Jó.” A palavra que é usada neste verso de Jó capítulo 33 é a palavra mut, e é um verbo encontrado no hipil, que denota uma ação, neste caso a ação de matar. Aparece 138 vezes no Antigo Testamento e em 50 maneiras. E neste caso é encontrado no plural, isto é, aqueles que matam, ou aqueles que causam a morte. De acordo com o léxico TWOT (1999, p 496.), esta palavra significa morrer, matar, ser executado, ou até mesmo Morte (personificado), ou reino dois mortais.

E como foi mencionado no início deste artigo, há muitas histórias na Bíblia que se referem à participação de anjos como instrumentos do julgamento divino. Mas, pode ser um pouco precipitado dizer que, em cada caso de morte de um ser humano, há um anjo, cujo trabalho e tarefa é acompanhar nas últimas horas da vida de cada pessoa. Embora na Bíblia encontramos o caso da morte de Moisés, que estava olhando de uma colina a Terra Prometida, mas Deus não permitiu que ele entrasse. (Deuteronômio 34.4, R60) Os versículos 5 e 6 deste capítulo dizem que Moisés morreu na Terra de Moabe, de acordo com a palavra de Deus. E o sepultou no vale, na terra de Moabe, defronte de Bete-Peor. Foi pela palavra de Deus que Moisés foi morto e descansou; comentando esste passage Ellen White (2002, p. 478) diz, "Ele foi autorizado a olhar ou fluir e contemplar ou primeiro admissão do nosso Salvador, Moisés viu Jesus como um bebê em Belém. Ele viu como vozes dá a hoste angélica irromper não uma canção alegre de louvor a Deus e paz na terra.” Foi pela palavra de Deus que nós vivemos "O espírito de Deus me fez; e a inspiração do Todo-Poderoso me dá vida." (Jó 33: 4 R60), o Comentário Bíblico Adventista (v. 1, 1978, p 1076 ) diz, "Literalmente, pela boca do Senhor ". Podemos concluir que foi por vontade de Deus, que Moisés foi a descansar, porque a palavra de Deus é viva, mas também tem a capacidade de tomar de volta a vida que deu (Ec 12.7, R60). Curiosamente, Ellen White, (1890, p 478), coloca os anjos com Cristo no túmulo do patriarca "O próprio Cristo, com os Anjos que haviam enterrado Moisés, desceu do Céu para Chamar ou santo adormecido." Podemos nos encontrar diante da cena, o próprio Cristo vem antes de Moisés, para lhe dar um merecido descanso, sua vida já havia chegado ao fim. Anjos estão lá, pronto para obedecer a voz de Cristo "de acordo com a palavra de Deus", Moisés descansou, como diz o salmista "Bendito seja o Senhor, vós anjos seus, seus poderosos que fazer a sua palavra, obedecendo à voz de seu preceito. "(Sal 103: 20 R60)

Citando a mensageira do Senhor, podemos perceber claramente como os anjos trabalham:

[...] "Eu ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono." Eles servem na sala do trono do Rei dos reis, "anjos, poderosos", "ministros seus", que fazem " a sua vontade", "obedecendo à voz do seu preceito". Salmo 103:19; Apocalipse 5:11. O apóstolo Paulo fala de "inumeráveis hostes de anjos". Hebreus 12:22 (VM). Quando Senaqueribe, o altivo assírio, escárnios, e blasfemaram de Deus, e ameaçou Israel com a destruição, "aconteceu naquela noite, um anjo do Senhor saiu, e feriu no arraial dos assírios cento e oitenta cinco mil homens ". O anjo "destruiu todos os homens fortes e valentes, com os príncipes e capitães" do exército de Senaqueribe, que "retornaram com uma expressão envergonhada para sua própria terra". 2 Reis 19:35; 2 Crônicas 32:21 (VM) (White, 2007, p 502)

O céu é uma atmosfera de paz e harmonia, milhões e milhões de anjos louvam a Deus e se alegram com a sua presença. Mas os anjos têm tarefas a cumprir e, neste artigo, tentaram abordar, com muita reverência e cuidado, uma das possíveis tarefas que realizam. Estas são algumas das funções que a Bíblia menciona em relação aos anjos, existem outras que por uma questão de tempo não podem ser abordadas aqui, mas a que estudamos aqui, foi a relação delas em relação ao fim da vida dos seres humanos...

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O ministério dos anjos é um mistério para alguns e um objeto de adoração para os outros. Mas, em geral, é um assunto que causa grande interesse e curiosidade. Como foi exposto neste trabalho, o assunto pode se tornar muito complexo para seu estudo. Pode até ser observado, já que o mesmo tema alcança diferentes conotações entre cada cultura, de judeus a muçulmanos, e outros que não foram mencionados aqui.

A palavra que foi objeto de estudo refere-se a um ofício, como foi dito acima, mas ela também se refere a um ofício sagrado como era o encargo dos levitas; podemos concluir que é um encargo importante. E se os anjos têm diferentes ofícios no céu, um deles poderia ser o de tirar a vida no momento em que Deus o ordena. A responsabilidade de acompanhar o ser humano em seu último suspiro de vida; agora, como esse ato é realizado, não podemos explicá-lo e seria até um pouco precipitado sugeri-lo. Os casos descritos na Bíblia, são situações em que Deus pune, mas do ponto de vista bíblico, o salário do pecado é a morte (Rm. 6:23 R60), então todos nós temos pecado, e nós fomos destituídos da glória de Deus (Rom. 3:23 R60) e devemos morrer. (Tiago 1:15 R60). "...mas o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor. (Ro 6:23 R60), o dom da vida de Cristo é abundância, mas, enquanto estamos neste mundo de pecado, a conseqüência de nossos erros é a morte, mas a morte em Cristo, é com esperança; esperança de acordar para vê-lo em glória e viver com ele por toda a eternidade (1 Tessalonicenses 4: 14-17 R60).

Pode-se concluir que a morte é um castigo pelos nossos pecados, embora "Querido esteja aos olhos de Jeová A morte de seus santos. (Sl 116: 15 R60).

Deferente é o caso de Sêneca, ele diz que: "A morte é um castigo para alguns, para outros um presente e para muitos um favor" (Sêneca 4 a.C.-65 dC). Deus está interessado em nós desde o nascimento até que morramos, nossa vida está em suas mãos, e Ele é quem dá (Jó 33: 4 R60) e aquele que a recebe. (Jó 1:21 R60) Mas Deus pode usar instrumentos.

Há outros tópicos a serem discutidos, mas, por razões de tempo, eles não serão abordados neste presente trabalho e que podem ser continuados em outro momento.

Autor: Jonny David Amaral | Estudante de Teologia. Faculdade Adventista Paranaense | jhonny12190@gmail.com

Referências:

ALDEN, Robert. The New American Commentary: Job. Nashville: Broadman & Holman Publishers, 2001. v. 11. Electronic. ed. Logos Library System.

BIBLIA. Hebraico. Hebraica Stuttgartensia. 5th.corr.ed. Stuttgart: German Bible Society, 2003. SESB Version. Electronic ed.

BÍBLIA. Espanhol. Santa Biblia: Reina Valera Revisada 1960. Miami Sociedades Bı́blicas Unidas, 1998. Electronic. ed. Logos Library System.

BLOCK, Daniel. The New International Commentary on the Old Testament: The Book of Ezekiel. Chapters 1-24. Grand Rapids, 1997 MI: Wm. B. Eerdmans Publishing Co. Electronic. ed. Logos Library System.

CEVALLOS, Juan. Comentario Biblico Mundo Hispano tomo 7; El Paso, Texas, ed. Editorial Mundo Hispano, 2005. Electronic. ed. Logos Library System.

CLINES, David. Word Biblical Commentary : Job 21-37. Nashville: Thomas Nelson Publishers,2006 v. 18a. Electronic. ed. Logos Library System.

DICKASON, Fred. Angels: elect & evil. Chicago, Moody Press, 1995. Electronic. ed. Logos Library System.

EISENBERG, Ronald. The JPS Guide To Jewish Traditions. Philadelphia: The Jewish Publication Society, 2004. Electronic. ed. Logos Library System.

HARRIS, Laird, et al. Theological Wordbook Of The Old Testament. electronic ed. Chicago: Moody Press, 1999.

JAMIESON, Roberto. Comentario Exegético Y Explicativo De La Biblia - Tomo 1: El Antiguo Testamento. El Paso, TX: Casa Bautista de Publicaciones, 2003. Electronic. ed. Logos Library System.

LANGE, Jhon; et al. A Commentary On The Holy Scriptures : Job. Bellingham, WA: Logos Research Systems, Inc., 2008. Electronic. ed. Logos Library System.

LANG, Stephen. 1,001 things you always wanted to know about angels, demons, and the afterlife. Nashville: Thomas Nelson, 2000. Electronic. ed. Logos Library System.

MCCURRY, Don. Esperanza Para Los Musulmanes, Santa Fe, Arg. Editorial Unilit, 1996; 2006. Electronic. ed. Logos Library System.

NCHOL, Francis. The Seventh-day Adventist Bible Commentary.. Review and Herald Publishing Association, 1978; 2002. Vol. 3. Electronic. ed. Logos Library System.


  1. Esta citação foi traduzida do inglês, usando uma tradução livre, bem como outras citações usadas. ↩︎


DA

Peregrinos y Extranjeros

comments powered by Disqus